(...) e a confiança cega
que tenho na minha verdade
não a detém quem me nega
as asas da liberdade ...

Ana Amorim Dias

1.2.13

Conspiração da alegria

Conspiração da alegria

Os carros afastaram-se todos para a berma, suavizando a marcha à passagem da ambulância. Um ato de cívico respeito e solidariedade que creio estar presente em todos. A única diferença foi que ontem, por volta das dez da manhã, aquela sintonia bailada de carros para a berma, me comoveu os alicerces.
Senti o sangue a exceder-se em mim numa gratidão tão profunda que só parei o carro no hospital. Havia fila para dar sangue mas ainda assim esperei pacientemente pela minha vez de me dar.
A certa altura o médico que estava a falar comigo saiu a voar para acudir a um dador desmaiado. Ao voltar pediu desculpa pela forma abrupta como se ausentou.
- Os anjos voam depressa...- respondi-lhe.
Olhou-me nos olhos num entendimento silencioso.
Minutos depois, enquanto um saco se enchia com um pedaço de mim, deixei que a minha alegria causasse gargalhadas tanto aos outros "espetados" como às enfermeiras.
- E quando acordou?...- perguntei a recém desmaiado que ainda recobrava as cores ao meu lado. - ...sabia onde estava?-
- O Dr. fez-me essa mesma pergunta assim que recuperei os sentidos...-
- E você, ao olhar para todas as enfermeiras ao seu redor, respondeu que tinha chegado ao Paraíso...- rematei.
Vim-me embora com a consciência de ter ali deixado muito mais que só sangue e lembrei-me de uma certeza que me tem assolado com uma constância feroz: quando fazemos um compromisso sério com a alegria, o Universo conspira a nosso favor. Foi por isso que ontem, já mais para o fim da manhã, o círculo encantando das dádivas cumpriu outra volta completa: espalho alegria e recebo tanta de volta que tenho que a dar de novo... sob pena de correr com tanta pressão que ainda me rebenta as veias da alma.

Ana Amorim Dias

1 comentário:

  1. Hola guapa, tienes un bello espacio,
    un placer.
    buen fin de semana.
    saludos.

    ResponderEliminar